O compromisso com nossos clientes é o pilar de nossa reputação.

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Comitê Estadual de Saúde do Judiciário realiza sua 15ª reunião e aprova propostas de enunciados para acervo subsidiário do CNJ

Criado com o objetivo de promover a desjudicialização das demandas de saúde, o Comitê Executivo Estadual de Saúde do Judiciário, presidido pelo desembargador Carlos Tork, realizou seu 15º encontro. A pauta principal foi a aprovação de enunciados que serão apresentados na III Jornada do Fórum Nacional de Saúde do Conselho Nacional de Justiça, dias 18 e 19 de março em São Paulo. O segundo ponto relevante da pauta foi a apresentação dos resultados do plano de combate ao subfaturamento em unidades hospitalares do estado. “Começamos o desafio de enfrentar o subfaturamento nas unidades hospitalares vinculadas ao SUS a partir de uma discussão com o Ministério da Saúde e o Tribunal de Contas da União. O problema a ser resolvido é o porquê de faturarmos tão pouco ao mesmo tempo que realizamos muitos atendimentos. Foi quando a equipe da SESA pesquisou e descobriu que o hospital de Laranjal do Jari era a unidade que mais faturava junto ao SUS”, explicou o desembargador Carlos Tork. Diante disso, a SESA convidou uma equipe daquele município para treinar a equipe do Hospital da Mulher Mãe Luzia.   O servidor da Secretaria de Saúde do Estado, Antônio Sérgio apresentou o plano de ação para combater o subfaturamento junto ao SUS dos serviços de saúde prestados nas unidades públicas. Segundo ele, o plano começou pelo Hospital da Mulher Mãe Luzia, mas já foi ampliado para o Hospital de Emergência. “Um dos problemas que incidem sobre o subfaturamento é a falta de preenchimento adequado dos prontuários por parte dos persos profissionais da saúde. Este problema está sendo enfrentado com capacitação”, explicou o servidor. Como exemplo dos resultados preliminares, “a contar de agosto de 2018 a base de faturamento mensal era de R$ 213 mil no Hospital da Mulher; em setembro, após o treinamento, o Hospital saltou seu faturamento para R$ 470 mil e em outubro superou R$ 600 mil”, exemplificou o desembargador Carlos Tork.   Relativamente às propostas de enunciados, o Comitê aprovou três proposições, mas uma nova rodada de debates ficou marcada para o próximo dia 18 de fevereiro, quando novas propostas serão analisadas. As três aprovadas nesta segunda-feira (11) tratam da competência da Justiça Federal em julgar as demandas que postulam novas tecnologias ainda não incorporadas ao Sistema Único de Saúde (SUS); do descabimento de pagamento de honorários médicos em cirurgias e procedimentos realizados no âmbito privado, se os profissionais envolvidos integram o quadro do SUS, quando a cirurgia ou procedimento for pago com recurso público e realizada dentro da carga horária do serviço público; o conflito de interesse na situação em que o médico pertencente ao quadro de servidores públicos atender pacientes pelo SUS e prescreve tratamento realizado exclusivamente pelo prescritor ou sócio na rede particular de saúde, não observando os protocolos e listas do SUS. Assessoria de Comunicação Social Siga-nos no Twitter: @Tjap_Oficial Facebook: Tribunal de Justiça do Amapá YouTube: TJAP Notícias Flickr: www.flickr.com/photos/tjap_oficial Instagram: @tjap_oficial Programa Justiça por Elas- Rádio 96.9 FM Programa Conciliando as Diferenças- Rádio 96.9 FM Programa Nas Ondas do Judiciário- 630 AM Programa Justiça em Casa- Rádio 96.9 FM Programa Justiça Contando Histórias- Rádio Difusora Detalhes Criado: Terça, 12 Fevereiro 2019 12:55
12/02/2019 (00:00)

Contate-nos

Av. Euclides da Cunha  587  D
-  Santa Rita
 -  Macapá / AP
-  CEP: 68901-527
+55 (96) 981085010+55 (96) 991499681
Visitas no site:  45916
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.