O compromisso com nossos clientes é o pilar de nossa reputação.

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Câmara Única do TJAP nega apelo de réu condenado por realizar curso sem autorização do MEC com emissão de diplomas falsos

Na manhã desta terça-feira (05), foi realizada a 1133ª Sessão Ordinária da Câmara Única do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), com julgamento de 65 processos em pauta e oito processos em continuação de julgamento (vista). Destaca-se a Apelação Criminal de nº 0001242-50.2016.8.03.0009, originária da 2ª Vara da Comarca de Oiapoque, onde o réu E. F. da S. J. se insurgiu contra condenação em 1º Grau com base no art. 171 (estelionato) do Código Penal.   De acordo com o relator da matéria na Câmara Única, desembargador Eduardo Contreras, “visando obter vantagens indevidas, em 2010 E. F. da S. J. apresentou-se como professor e presidente da Academia de Ensino Superior de Ciências e Letras, induzindo a erro as vítimas a participarem de um curso de magistério especializado no ensino infantil e fundamental, sem autorização do Ministério da Educação (MEC) e, após a realização do curso expediu diplomas falsos”. Em sua defesa, o apelante alegou “negativa de autoria e insuficiência probatória”. No entanto, o voto do relator esclareceu que o apelante cobrou de cada um dos 40 alunos que formaram a turma do suposto curso o valor de R$ 660,00 (seiscentos e sessenta) pelo curso e mais R$ 500,00 (quinhentos reais) pelo diploma. “Esta instituição não tinha autorização para funcionar e os diplomas eram falsos”, disse o relator negando provimento ao recurso, decisão que foi acompanhada pelo revisor, desembargador Agostino Silvério Junior, e pelo vogal, desembargador Manoel Brito. Com a decisão, o réu teve mantida sua condenação a um ano e nove meses de reclusão, em regime inicial semiaberto, mais 10 dias multa no valor unitário de um trigésimo do salário mínimo, além de indenização às vítimas no valor inpidual de R$ 2.400,00 (dois mil e quatrocentos reais) pelos danos materiais sofridos. O art. 171 do Código Penal define a conduta daquele que objetiva “obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento”. A 1133ª Sessão Ordinária da Câmara Única do TJAP foi presidida pelo desembargador Agostino Silvério Junior e contou com a participação dos desembargadores Manoel Brito; João Lages e Eduardo Contreras. O Ministério Público do Estado esteve representado pela procuradora de Justiça Raimunda Clara Banha Picanço.     Assessoria de Comunicação Social Siga-nos no Twitter: @Tjap_Oficial  Facebook: Tribunal de Justiça do Amapá  YouTube: TJAP Notícias  Flickr: www.flickr.com/photos/tjap_oficial  Instagram: @tjap_oficial  Programa Justiça por Elas- Rádio 96.9 FM  Programa Conciliando as Diferenças- Rádio 96.9 FM  Programa Nas Ondas do Judiciário- 630 AM  Programa Justiça em Casa- Rádio 96.9 FM  Programa Justiça Contando Histórias- Rádio Difusora Detalhes Criado: Terça, 05 Fevereiro 2019 02:04
05/02/2019 (00:00)

Contate-nos

Av. Euclides da Cunha  587  D
-  Santa Rita
 -  Macapá / AP
-  CEP: 68901-527
+55 (96) 981085010+55 (96) 991499681
Visitas no site:  45908
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.