O compromisso com nossos clientes é o pilar de nossa reputação.

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

2ª audiência de conciliação sobre conflitos fundiários estabelece prazo de 10 dias para GEA se posicionar sobre reestruturação do setor

Por intermédio do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de 2º Grau, o Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) realizou a 2ª audiência de conciliação, em cooperação com o Ministério Público do Estado, para tratar dos autos da Ação Civil Pública nº 0048212-35.2016.8.03.0001, que objetiva assegurar transparência e controle social acerca dos procedimentos de regularização fundiária, licenciamentos ambientais, documentos para exploração de madeira e gastos da administração pública com pessoal e material nesses setores. A audiência desta quarta-feira (06) resultou no estabelecimento de um prazo de 10 dias para que o governo do estado delibere sobre a reestruturação dos setores produtivo e ambiental, atendendo às manifestações do grupo de trabalho plural formado na 1º audiência de conciliação ocorrida em novembro de 2018. A proposta de reformatação do setor foi apresentada pelo atual presidente do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e do Instituto de Meio Ambiente do Amapá (IMAP), Julhiano Avelar. Após este prazo, caso não haja avanço, o procedo judicial será devolvido para a 2ª Vara Cível e de Fazenda Pública para sentença. Como resultado do esforço das instituições públicas e representativas da sociedade civil e produtores, o advogado Paulo Sérgio Sampaio Figueira, presidente da Comissão Especial de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da OAB/AP, entregou um robusto documento contendo propostas para solução dos conflitos objeto da conciliação, à desembargadora Sueli Pini, coordenadora da política de conciliação do TJAP, e para a promotora Ivana Cei, que responde pela Promotoria de Justiça de Meio Ambiente, Urbanismo, Habitação e Conflitos Agrários de Macapá (PRODEMAC). “Aqui estão reunidos todos aqueles que podem dialogar e encontrar uma solução definitiva para promover a unidade, comunicação, celeridade e transparência nas ações de regularização fundiária e licenciamento ambiental no Amapá”, ponderou a desembargadora Sueli Pini. A promotora Ivana Cei explicou que “não há transparência nos setores de regularização fundiária”, o que motivou o órgão ministerial a propor a Ação Civil Pública em 2012. “Em cooperação com o TJAP trouxemos este processo para a conciliação, o que fez com que avançasse. Há muitos órgãos fazendo a mesma coisa e sem efetividade e com este diálogo será possível um enxugamento desse setor, com órgãos ambientais e de um lado e fundiários de outro para que não haja o engessamento do setor. Agradecemos ao Tribunal de Justiça por abrir esta porta de entendimento”, esclareceu a promotora. De acordo com o representante da OAP/AP, advogado Paulo Sérgio Sampaio, o diagnóstico apresentado pelo grupo de trabalho, as propostas apresentadas “oferecem condições para equacionar o problema da judicialização dos conflitos fundiários e promover o desenvolvimento econômico do estado”. O documento representa os anseios do setor produtivo, de forma que é corroborado pelo Fórum Econômico do Setor Produtivo do Amapá (FESPAP), na ocasião representado por seu presidente, José Ribamar Rodrigues.   Compareceram à audiência o Ministério Público do Amapá, representado pela Promotora Ivana Lúcia Franco Cei e pelo promotor Marcelo Moreira;  Procuradoria Geral do Estado, pelos procuradores Narson Galeno, Tiago Lima e Diego Bonilla; OAB/AP pelos advogados Paulo Sérgio Figueira e Advogado Luiz Ricardo Santos Carvalho; IEF/IMAP pelo secretário Julhiano Avelar; IBAMA, pela servidora Márcia Bueno; INCRA, pelo chefe de Gabinete Iberê Andrade; Prefeitura de Macapá, representada pela Subprocuradora Stella Veridiana Rocha; ALAP representada pelo deputado Jesus Pontes; SEMA/AP, por  Fabricio Borges Oliveira e  João Eduardo de Campos Vasconcelos; PRODAP, por José Lutiano Costa da Silva; ACIA, por Raimundo Jose Queiroga; Pastoral da Terra pelo Padre Sisto Megra; FESPAP, por José de Ribamar Rodrigues; CADIMA, por Juarez Oliveira; APROSOJA, por Tobias Laurindo, Wilmar Laurindo e Celso Carlos dos Santos; EMBRAPA pelo senhor Nagib Melém. A sessão foi conduzida pela mediadora do TJAP Maria Da Conceição Cruz Meireles. Assessoria de Comunicação Social Siga-nos no Twitter: @Tjap_Oficial Facebook: Tribunal de Justiça do Amapá YouTube: TJAP Notícias Flickr: www.flickr.com/photos/tjap_oficial Instagram: @tjap_oficial Programa Justiça por Elas- Rádio 96.9 FM Programa Conciliando as Diferenças- Rádio 96.9 FM Programa Nas Ondas do Judiciário- 630 AM Programa Justiça em Casa- Rádio 96.9 FM Programa Justiça Contando Histórias- Rádio Difusora Detalhes Criado: Quarta, 06 Fevereiro 2019 13:06
06/02/2019 (00:00)

Contate-nos

Av. Euclides da Cunha  587  D
-  Santa Rita
 -  Macapá / AP
-  CEP: 68901-527
+55 (96) 981085010+55 (96) 991499681
Visitas no site:  45835
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.